O protagonismo do fisioterapeuta na UTI

Para enfrentar a pandemia Covid-19, a linha de frente possui uma equipe de multiprofissionais altamente capacitados, que estão todos os dias, suscetíveis ao contágio do vírus; Dentre eles, está o profissional fisioterapeuta, que sempre atuou nos bastidores, mas o período de pandemia evidenciou tamanha importância desse profissional. Segundo a Sociedade Brasileira de Fisioterapia Respiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva - SOBRAFIR, o fisioterapeuta que atua em Terapia Intensiva, possui diversas expertises, dentre eles destacam-se:

  • Ser capaz de avaliar adequadamente o paciente;

  • Aplicar o melhor procedimento;

  • Determinar se o procedimento a ser realizado tem alta probabilidade de alcançar os resultados esperados e quando não, negociar com a equipe médica um plano de assistência mais assertivo;

  • Entender a condição clínica do paciente, os objetivos médicos traçados, a competência e as limitações de cada instrumento e procedimento.

Nas hospitalizações por Covid-19, o fisioterapeuta identifica as necessidades relacionadas à terapia respiratória, é capaz de auxiliar na fisioterapia preventiva, recuperação pós UTI e após a alta do paciente. Além disso, o fisioterapeuta pode atuar em três modos: em equipes que permanecem 24 horas na unidade, equipes que permanecem 12 horas na unidade e equipes, que durante o período diurno atendem aos pacientes de terapia intensiva. O documento de Orientação para a Reabilitação Respiratória da Pneumonia por Covid-19, publicado pelo Comitê de Reabilitação Respiratória da Associação Chinesa de Medicina de Reabilitação, cita que:

“Para os pacientes internados com COVID-19, a reabilitação pulmonar aliviaria os sintomas de dispneia, ansiedade e depressão; eventualmente melhorar a função física e a qualidade de vida; Para pacientes internados graves / críticos, a realização precoce da reabilitação pulmonar não é sugerida. Para o isolamento do paciente, a orientação da reabilitação pulmonar deve ser realizada por meio de vídeo educativo, manual de instruções ou consulta remota. A avaliação e o monitoramento devem ser realizados durante todo o processo de reabilitação pulmonar. Tomando a proteção de graduação adequada seguindo as diretrizes. Essas recomendações podem servir como um guia de prática clínica e base para a reabilitação pulmonar de COVID-19.”


O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), em parceria com a Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (ASSOBRAFIR), também ressaltou a importância da disponibilização do atendimento de fisioterapia, no período de 24 horas nos CTIs e na aplicação de métodos, técnicas e recursos de expansão pulmonar, remoção da secreção, fortalecimento muscular, recondicionamento cardiorespiratório e suporte ventilatório durante a técnica de aspiração traqueal. No contexto pandêmico, os fisioterapeutas empenhados na luta contra a Covid-19 podem se ver constantemente expostos à presença do vírus. O uso do Sistema Fechado de Aspiração Endotraqueal pode representar um marco preponderante em sua segurança. Precisamos, mais do que nunca, enxergar e valorizar a função do fisioterapeuta no combate à Covid, bem como as formas de mantê-los seguros no desempenho de sua nobre função.

Posts Em Destaque
Posts Recentes