Inscreva-se em nossa newsletter

Receba novos materiais diretamente por e-mail.

Partograma Prática recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no acompanhamento do trabalho de parto

Partograma: Prática recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no acompanhamento do trabalho de parto

O partograma é recomendado desde 1994 pela OMS e pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Abrasgo) desde 1998, portanto, tornou-se obrigatório no Brasil apenas no ano de 2015 através da resolução normativa nº 368 publicada no dia 6 de janeiro de 2015 (BRASIL, 2015). Essa resolução possuía como desígnio conscientizar sobre cesarianas desnecessárias e garantir mais informações para as gestantes (BRASIL, 2015).

O que é o partograma?

É uma representação gráfica do trabalho de parto que possibilita monitorar seu progresso, registrar e identificar mudanças, e recomendar ações adequadas para corrigir desvios, contribuindo para evitar intervenções desnecessárias (BRASIL, 2001). 

Para que é utilizado o partograma?

É utilizado no trabalho de parto para acompanhar a evolução, documentar, diagnosticar as alterações, indicar tomadas de condutas apropriadas, evitar intervenções desnecessárias e para proteção legal do profissional.

São feitos registos do desenvolvimento de trabalho de parto, das condições maternas e fetais e deverá conter no mínimo essas informações (BRASIL, 2015):

1 – Informações da paciente: Como por exemplo nome completo, documento, idade da gestante e idade gestacional;

2 – Acompanhamento da dilatação do colo e altura do feto, que devem ser anotadas a cada toque realizado;

Chamam a atenção a existência de duas linhas no Partograma: a linha de alerta e a linha de ação.  A linha de alerta começa na segunda hora do partograma, e o trabalho de parto deve acompanhar esta linha. Ou seja, se a representação do parto ultrapassar essa linha, é motivo de atenção. Já a linha de ação mostra a necessidade de intervenção, não necessariamente a cesariana.

Em um trabalho de parto normal, a curva de dilatação cervical se processa à esquerda da linha de ação. Quando essa curva ultrapassa a linha de ação, trata-se de um parto disfuncional.

A identificação das distocias é feita pela observação das curvas de dilatação cervical e de descida da apresentação expressas no Partograma. São elas: Fase ativa prolongada; Parada secundária dilatação; Parto precipitado ou Parto taquitócico; Período pélvico prolongado e Parada secundária da descida (BRASIL, 2015).

3 – Batimentos fetais e registro de contrações (BRASIL, 2015);

4 – Indicar infusões de líquidos e analgesia, aspecto do líquido amniótico e situação da bolsa amniótica (BRASIL, 2015);

 

A análise abrangente de todas essas variáveis possibilita compreender a progressão do parto e os fatores que contribuem para sua evolução normal ou anormal. Ao detectar uma distocia no partograma e identificar sua causa, as orientações terapêuticas tornam-se lógicas e eficazes (BRASIL, 2015).

 

Quando empregado de maneira eficaz, o partograma ajuda a reduzir intervenções desnecessárias, promovendo melhores resultados obstétricos e aprimorando a qualidade da assistência clínica durante o parto.

Leia também:

Essa condição pode ser perigosa tanto para a mãe quanto para o feto, e requer atenção médica imediata

Ler mais >>

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS. RESOLUÇÃO NORMATIVA – RN Nº 368, DE 6 DE JANEIRO DE 2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher/ Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Bárbara Kerr

Bárbara Kerr

Especialista Técnica de Produtos